TV Canção Nova

Nossa Sra. das Vocações

Nossa Sra. das Vocações
Senhor que dissestes "a messe é grande e poucos são os operários", nós vos pedimos que envieis muitas e santas vocações sacerdotais e religiosas para nossa Diocese. Necessitamos de sacerdotes que nos dêem o pão da Eucaristia e o Pão da Palavra e assim possamos viver a vossa vida. Virgem Santíssima, Mãe dos sacerdotes, intercedei junto a vossa Divino Filho pela perseverança e santidade de nossos sacerdotes e seminaristas. Amém. Nossa Senhora das Vocações, rogai por nós!

Quem somos

Minha foto
Guarulhos, São Paulo, Brazil
Somos irmãos no Discernimento Vocacional da Diocese de Guarulhos ( Marcelo, Nilton, Ricardo, Robson, Ítalo e o Bruno ) que, movidos pelo Espírito Santo tivemos a idéia de montar esse blog inspirado nos emails que trocamos. Com um único objetivo: transmitir mensagens de fortalecimento da fé, partilhar de nossa caminhada. Publicar tudo o que é suscitado em nossos corações. As tribulações, as vitórias e as alegrias que alcançamos dia-a-dia com Jesus e Maria. Seguindo a ordem nos dada pelo mestre dos mestres: " Ide pelo mundo e pregai o evangelho a toda criatura" Venha fazer parte conosco dessa missão confiada à todos nós!

Fale Conosco

Seguidores

Um evento marcante em nossa Diocese, não deixe de participar:




























Abraços,
Adalberto Lima
Seminarista Diocesano
(1º Filosofia)

| | edit post

Boa noite Irmãos e Irmãs,

segue nossa programação para este ano:



Abraços, Adalberto Lima
Seminarista Diocesano
(1º Filosofia)

| | edit post

Boa noite Galera!



Que a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo esteja com todos...

Estamos de volta à comunicação pelo nosso Blog ;-)

Aguardem esta semana as novas postagens...

Abraços,
Adalberto Lima
Seminarista 1º Filosofia 

| | edit post

   O Papa Bento XVI falou sobre a oração de Jesus ligada à sua ação curadora na Catequese desta quarta-feira, 14. A meditação do Pontífice teve como base o episódio da cura do surdo-mudo (cf. Mc 7,32-37), citando também a ressurreição de Lázaro (cf. Jo 11,1-44). Essa oração manifesta novamente a relação única de conhecimento e comunhão de Jesus com o Pai.
   "Lendo essa narração, cada um de nós é chamado a compreender que, na oração de súplica ao Senhor, não devemos esperar um cumprimento imediato daquilo que nós pedimos, da nossa vontade, mas confiar-nos antes de mais nada à vontade do Pai, lendo cada evento na perspectiva da sua glória, do seu plano de amor, muitas vezes misterioso aos nossos olhos. Por isso, na nossa oração, súplica, louvor e agradecimento deveriam fundir-se, também quando nos parece que Deus não responde às nossas expectativas concretas. O abandonar-se ao amor de Deus, que nos precede e acompanha sempre, é uma das atitudes de fundo do nosso diálogo com Ele", explicitou Bento XVI.
   O Bispo de Roma ensinou que, antes que o dom seja concedido, é preciso aderir Àquele que dá, pois o doador é mais precioso que o dom. "Também para nós, portanto, muito além daquilo que Deus nos dá quando O invocamos, o maior dom que pode nos dar é a Sua amizade, a Sua presença, o Seu amor. Ele é o tesouro precioso a se pedir e proteger sempre".
   Nessa perspectiva, a oração confiante de um crente é um testemunho vivo da presença de Deus no mundo, do seu interessar-se pelo homem, do seu agir para realizar o seu plano de salvação.
   "Nossa oração abre a porta a Deus, que nos ensina a sair constantemente de nós mesmos para sermos capazes de nos fazer próximos dos outros, especialmente nos momentos de provação, para levar a eles consolação, esperança e luz. O Senhor nos conceda sermos capazes de uma oração sempre mais intensa, para reforçar nossa relação pessoal com Deus Pai, alargar nosso coração à necessidade dos que nos são próximos e sentirmos a beleza de ser 'filhos no Filho', unidos com tantos irmãos", afirmou.


As curas
   O Papa destaca que a ação curadora de Jesus está conectada com a sua intensa relação, tanto com o próximo – o doente – quanto com o Pai. No episódio do surdo-mudo, a escolha de levar o doente para um lugar à parte para, somente então, operar o milagre, faz com que, no momento da cura, Jesus e o doente encontrem-se a sós, aproximados em uma singular relação.
   "A atenção ao doente, a cura operada por Jesus, estão ligadas por uma profunda atitude de oração dirigida a Deus. O conjunto da narração, portanto, mostra que o envolvimento humano com o doente leva Jesus à oração. Mais uma vez ressurge a sua relação única com o Pai, a sua identidade de Filho Unigênito. Na ação curadora de Jesus entra de modo claro a oração, com o seu olhar em direção ao Céu. A força que curou o surdo-mudo foi, certamente, provocada pela compaixão por ele, mas provém do recurso ao Pai. Encontram estas duas relações: a humana, de compaixão pelo homem, que entra na relação com Deus, e fica assim curado", destaca.
   O Santo Padre indicou que, no caso da ressurreição de Lázaro, a participação e comoção de Jesus frente à dor dos parentes e conhecidos de Lázaro liga-se, em toda a narração, com uma contínua e intensa relação com o Pai.
   "Desde o início, o acontecimento é lido por Jesus em relação com a própria identidade e missão e com a glorificação que Lhe espera. Também aqui se entrelaçam, de um lado, o vínculo de Jesus com um amigo e com o seu sofrimento e, de outro, a relação filial que Ele tem com o Pai. O anúncio da morte do amigo é acolhido por Jesus com profunda dor humana, mas sempre em clara referência à relação com Deus à missão que lhe foi confiada".
   "Levantando Jesus os olhos ao alto, disse: 'Pai, rendo-te graças, porque me ouviste'" (Jo 11,41). Segundo Bento XVI, a frase revela que Jesus não deixou nem sequer por um instante a oração de súplica pela vida de Lázaro. "Essa oração contínua, mais ainda, reforçou os laços com o amigo e, ao mesmo tempo, confirmou a decisão de Jesus de permanecer em comunhão com a vontade do Pai, com o seu plano de amor, no qual a doença e a morte de Lázaro são consideradas como um lugar em que se manifesta a glória de Deus".
   Por fim, o Papa ressaltou que as duas orações de Jesus meditadas revelam que o profundo laço entre o amor a Deus e o amor ao próximo deve entrar também na nossa oração.
   "Em Jesus, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, a atenção pelo outro, especialmente se necessitado e sofredor, o comover-se frente à dor de uma família amiga, levam-nO a dirigir-se ao Pai, naquela relação fundamental que guia toda a sua vida. Mas também vice-versa: a comunhão com o Pai, o diálogo constante com Ele, impele Jesus a estar atento de modo único às situações concretas do homem, para levar a ele a consolação e o amor de Deus. A relação com o homem guia-nos rumo à relação com Deus, e a relação com Deus guia-nos novamente à relação com o próximo".

Adalberto Lima
Seminarista Propedeuta 2011

http://noticias.cancaonova.com/noticia.php?id=284600



| | edit post

Ser bom é alavancar projetos que fecundam valores
   A reconhecida maestria de Jesus nos Seus ensinamentos, com a particularidade de Sua presença, com Sua força incomparável de interpelação, tocava sempre os espaços mais recônditos dos corações. O evangelista Marcos narra um diálogo de Cristo com Seus discípulos que causou grande espanto. Jesus descreve a cena de alguém que corre na direção d'Ele e, quando se aproxima, pergunta: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?” O diálogo se desenvolve aprofundando o que é ser bom e o que fazer para ser bom, admitindo convictamente que a conquista da plenitude do ser humano só se faz quando se encontra e se percorre o caminho da bondade.
   Depois de falar dos mandamentos para aquele que estava interessado em ganhar a vida eterna, Jesus, fitando-o com amor, afirma: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”. O interessado na vida eterna ficou pesaroso e foi embora cheio de tristeza, pois possuía muitos bens, conta o evangelista Marcos, que também descreve o espanto dos discípulos ao ouvirem estas palavras de Cristo. Pedro, então, intervém dizendo: “Olha, nós deixamos tudo e te seguimos”.
   Jesus não estava fazendo contas de números naquele diálogo. Sua maestria não se prendia, na verdade, a quantidades de bens. Ele tocou no núcleo central interior que rege os rumos dados à vida: a capacidade de discernimento e escolha, a competência para produzir sentido, a convicção simples e determinante de que é bom ser bom.
   Ser bom é ser honesto. É alavancar projetos que produzem vida e fecundam a cidadania com valores, que não se reduzem às posses. Trata-se de princípios que alargam horizontes. O desafio maior, em todos os tempos, inclusive agora, na cultura contemporânea, é superar uma compreensão da vida que a reduz aos números e aos bens materiais. Aliás, esse desafio é ainda mais urgente no tempo em que vivemos, porque há uma avalanche de mudanças, intensificada pelo universo virtual da informação.
   Manter a serenidade indispensável e alavancar-se na sabedoria necessária não é fácil. Fácil é perder o rumo. Vive-se uma oscilação entre a impotência da crítica e a onipotência da opinião. Esta oscilação provoca inevitavelmente a perda de referências e de valores. O Papa Bento XVI adverte aos fiéis de que a cultura contemporânea corre riscos de excluir Deus, fonte única e inesgotável de princípios, dos próprios horizontes. Assim, a humanidade segue caminhos equivocados, receitas destrutivas. Sem Deus no horizonte, o que se constata é a primazia da instabilidade no lugar da verdade. A informação, com sua fluidez, passa a ser fonte de todas as fontes.
   É preciso saber que não basta estocar, organizar e distribuir informações múltiplas. Mesmo diante dessa grande oferta de conteúdo, pergunta-se: o que no mundo de hoje é justo, bom, verdadeiro? Não encontrada a resposta, experimenta-se o peso da existência. A vida fica à mercê de relatos sobre relatos, prostrando os humanos na insatisfação, tornando-os insaciáveis. Mas, ávidos não dos valores que sustentam e devolvem a serenidade. Em cena, de novo e sempre, a necessidade da permanente busca e do reger-se por princípios. Um movimento que dá sustentação à cultura, caminha na direção da correção de descompassos. É saída na superação da violência, correção para a ganância que gera o veneno da corrupção e a loucura da posse.
   Este é o permanente desafio diante de um cenário que causa medo e que mina a convicção simples de que é bom ser bom. Vale lembrar, mais uma vez, o Papa Bento XVI quando diz que o encontro com uma Pessoa, Jesus Cristo, dá novo horizonte à vida e, com isso, uma orientação decisiva. É hora do diálogo com Jesus, para iluminar gestos que fazem a diferença.
 
Dom Walmor Oliveira Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte (MG)


Adalberto Lima
Seminarista Propedêuta 2011


| | edit post

   O papa Bento 16 nomeou, nesta quarta-feira (23), dom Joaquim Justino Carreira bispo diocesano de Guarulhos, na Grande São Paulo, transferindo-o da Arquidiocese de São Paulo, onde exercia a função de vigário episcopal para a Região Santana. Dom Joaquim sucede a dom Luiz Gonzaga Bergonzini, que teve sua renúncia aceita pelo papa, por ter alcançado o limite de idade canônica (75 anos). A posse de dom Joaquim como terceiro bispo diocesano de Guarulhos está prevista para acontecer no dia 22 de janeiro de 2012, com horário e local a serem oportunamente divulgados.

  

Trajetória de Dom Joaquim

   O novo bispo de Guarulhos tem 62 anos e é natural da cidade de Santa Catarina da Serra (Portugal). Foi ordenado bispo no ano de 2005, com o lema episcopal “Pax Vobis”, pelo cardeal dom Cláudio Hummes.
   Dom Joaquim estudou filosofia na Faculdade Anchieta, em São Paulo, e teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma (Itália). É mestre em Matrimonio e Família, pelo Pontifício Instituto para a Família, da Pontifícia Universidade Lateranense, em Roma.
   Antes de ser ordenado bispo, dom Joaquim exerceu as seguintes atividades: vigário paroquial da Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus – Jundiaí – SP (1977), vigário cooperador da Catedral Nossa Senhora do Desterro – Jundiaí – SP (1977-1983); pároco da Paróquia São Sebastião – Itupeva – SP (1983-1984); administrador paroquial da Catedral Nossa Senhora do Desterro – Jundiaí – SP (1984-1986); vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Carmo – Jundiaí-Mirim – Jundiaí – SP (1986); vigário paroquial da Catedral Nossa Senhora do Desterro – Jundiaí – SP (1986-1988); vigário paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Rosário – Campo Limpo Paulista, para iniciar a Paróquia de São Francisco de Assis – Campo Limpo Paulista – SP (1988); pároco da Catedral Nossa Senhora do Desterro – Jundiaí – SP (1992-2000) e administrador Paroquial da Paróquia Jesus de Nazaré – Cabreúva – SP (2004).
   No ano de 1980, foi nomeado o 1º Reitor do Seminário Maior Diocesano de Jundiaí, função esta que exerceu por 12 anos. Foi ainda, coordenador do Curso de Filosofia e Professor do Seminário Maior de Jundiaí entre os anos de 1980 e 1988.
   Na Arquidiocese de São Paulo, exercia a função de vigário episcopal para a Região Episcopal Santana e era bispo referencial para a Pastoral da Liturgia (Comissão Arquidiocesana de Liturgia e Arte Sacra e Comissão dos Bens Culturais da Igreja) e para a Pastoral da Vida e da Família (Pastoral Familiar; Preparação para o Sacramento do Matrimônio; Encontro de Casais com Cristo; Movimentos e Associações Familiares; Movimento de Valorização Humana; Equipes de Nossa Senhora; CENPLAFAM; Confederação das Famílias Cristãs e Pastoral da Terceira Idade).

Fonte: Site Diocese de Guarulhos


 
Adalberto Lima

| | edit post


Olá Irmãos e Irmãs.
   É com grande alegria que divulgamos a foto oficial de nossa convivência no Seminário Propedêutico Santo Antônio em nossa Diocese (Guarulhos).
   Nestes dois últimos dias (03 e 04/12), vivemos uma experiência de vida em comunidade, depois de um ano de caminhada vocacional, acompanhamentos individuais e coletivos, chegou o dia de viver a rotina dentro de um seminário diocesano.
   No sábado tivemos várias palestras, tais como: Apresentação e acolhida com o Pe Cleber Leandro de Oliveira, nosso reitor, formador, animador vocacional e assessor do SAV-PV Diocesano; a apresentação da Vida em Seminário pelo Seminarista Willian Eduardo Silva Yamada; após a palestra do Seminarista Willian tivemos o momento de deserto, momento muito importante para cada um pensar no que já havia sido apresentado até aquele momento; assistimos ao filme "O rei Leão", para uma análise sobre saber quem somos e o que queremos, para observarmos a mão de Deus nos detalhes agindo sempre na simplicidade, após uma partilha entre todos os vocacionados e os Seminaristas Felipe Forte, Adalberto Lima, André Souza e Willian Eduardo, fizemos um lanche na companhia do Pe Cleber Leandro, que também nos motivou a pensar em toda a atividade do dia e nos perguntou sobre os pontos considerados importantes para a vida de cada um considerando a mensagem do filme.
   No Domingo, tivemos uma apresentação sobre a Filosofia e sua importância na caminhada vocacional bem como para a vida no geral, realizada por nossa querida Professora Elenilce da Silva, nesta apresentação foi comentada vários assuntos, dentre eles a importância do questionar-se sobre algo antes de tomar qualquer atitude, também o peso e responsabilidade sobre nossas escolhas. Após esta apresentação, as Irmã Tereza Luíza,  da Franternidade Arca de Maria, falou sobre Maria e sua importância na caminhada ao sacerdócio e para a vida no geral, após sua apresentação todos tiveram a oportunidade de fazer perguntas para tirarem suas dúvidas.
   Encerramos nossa convivência com a Santa Missa, presidida pelo Revdo Pe Cleber Leandro, após a benção tivemos um almoço de confraternização e momento de lazer.
   Podemos concluir que esta experiência foi única e inexplicável, agradecemos a Deus pela vida de cada jovem que se dispôs a viver esta experiência, pois com certeza o que foi vivido nestes dias será guardado para toda a vida.
   Que Deus abençoe a cada um em sua caminhada, ao Pe Cleber pela oportunidade que tivemos de viver este momento, aos professores e religiosos que se dispuseram a nos doar um pouco de seu conhecimento nesta caminhada de discernimento perpétuo da vocação.

Participaram desta convivência nossos irmãos:
Alessandro J. Araújo - Paróquia Santa Rosa de Lima (Cabuçú)
Amaurí de M. Tucillo - Santuário São Judas Tadeu (Torres Tibagy)
Carlos Alberto Idalgo - Paróquia Nossa Sra de Lourdes (Itapegica)
Douglas Crivelaro Pacheco - Paróquia São João Batista (Jd Adriana)
Gustavo Oliveira Borba - Paróquia São Judas Tadeu (Guaratinguetá)
Hermerson Tiago Lima - Paróquia Santa Cruz e Nossa Sra do Carmo (Taboão)
Jhonatta Gomes Ferreira - Paróquia São José (Jd Paulista)
Júnior Santos Lopes - Paróquia Santa Luzia (Pq Alvorada)
Osvaldo P. de Oliveira - Paróquia São Judas Tadeu (Jd Alice)
Pedro José de Souza - Paróquia São Francisco (Pq das Nações)
Ricardo Aparecido - Paróquia São José (Jd Paulista)

Abraços à todos,

Adalberto Lima
Seminarista Propedêuta 2011

| | edit post

Vocacional Masculino e Feminino

"Vem, segue-me..."

"Vem, segue-me..."
Clique aqui e saiba mais

Pastoral Vocacional

Pastoral Vocacional
Quer saber mais sobre a caminhada vocacional? Escreva para: vocacionalguarulhos@hotmail.com

Visitantes on-line

Ocorreu um erro neste gadget

Bispo Diocesano

Bispo Diocesano
Dom Joaquim Justino Carrera - "PAX VOBIS" (Jo 20,21s)

Arquivo

Contato

Contato
Ocorreu um erro neste gadget