TV Canção Nova

Nossa Sra. das Vocações

Nossa Sra. das Vocações
Senhor que dissestes "a messe é grande e poucos são os operários", nós vos pedimos que envieis muitas e santas vocações sacerdotais e religiosas para nossa Diocese. Necessitamos de sacerdotes que nos dêem o pão da Eucaristia e o Pão da Palavra e assim possamos viver a vossa vida. Virgem Santíssima, Mãe dos sacerdotes, intercedei junto a vossa Divino Filho pela perseverança e santidade de nossos sacerdotes e seminaristas. Amém. Nossa Senhora das Vocações, rogai por nós!

Quem somos

Minha foto
Guarulhos, São Paulo, Brazil
Somos irmãos no Discernimento Vocacional da Diocese de Guarulhos ( Marcelo, Nilton, Ricardo, Robson, Ítalo e o Bruno ) que, movidos pelo Espírito Santo tivemos a idéia de montar esse blog inspirado nos emails que trocamos. Com um único objetivo: transmitir mensagens de fortalecimento da fé, partilhar de nossa caminhada. Publicar tudo o que é suscitado em nossos corações. As tribulações, as vitórias e as alegrias que alcançamos dia-a-dia com Jesus e Maria. Seguindo a ordem nos dada pelo mestre dos mestres: " Ide pelo mundo e pregai o evangelho a toda criatura" Venha fazer parte conosco dessa missão confiada à todos nós!

Fale Conosco

Seguidores


Hoje é dia de São Jerônimo, padroeiro dos intérpretes de Libras. Que ele sempre interceda por todos os interpretes , para que a Palavra de Deus seja proclamada da maneira como Ele quer.


Oração de São Jerônimo

Ó Deus, criador do universo, que vos revelastes aos homens, através dos séculos, pela Sagrada Escritura, e levastes a vosso servo São Jerônimo a dedicar a sua vida ao estudo e à meditação da Bíblia, dai-me a graça de compreender com clareza a vossa palavra quando leio a Bíblia.

São Jerônimo, iluminai e esclarecei a todos os adeptos das seitas evangélicas para que eles compreendam as Escrituras, e se dêem conta de que contradizem a religião Católica e a própria Bíblia, porque eles se baseiam em princípios pagãos e superticiosos.

São Jerônimo, ajudai-nos a considerar o ensinamento que nos vem da Bíblia acima de qualquer outra doutrina, já que é a palavra e o ensinamento do próprio Deus. Fazei que todos os homens aceitem e sigam a orientação do nosso Pai comum expressa nas Sagradas Escrituras.

São Jerônimo, rogai por nós.

Assim seja!

Amém.


Luiz Marcelo Gonçalves
Vocacionado Diocesano

"Santo anjo do Senhor, meu zeloso guardador
se a ti me confiou a piedade divina,
sempre me rege, me guarde, me governe, me ilumine
Amém."





Luiz Marcelo Gonçalves
Vocacionado Diocesano




Outro dia, ao falar ao telefone com uma pessoa muito próxima a mim, meu coração sacerdotal ficou pensativo e me questionei sobre como tenho vivido minha vida e minha vocação. Ela dizia: “Acabei de sair da Santa Missa e parece que estou pior do que antes; o padre estava tão seco e frio, que não sei se encontrei Jesus naquela celebração não fosse a Eucaristia. E o pior, padre Luizinho, muitas pessoas da assembleia saíram da celebração deste jeito!”. O que dizer nessa hora a essa pessoa e sobre essa situação?

Quero falar primeiro aos meus irmãos sacerdotes, pois conheço de cadeira a causa de seus corações, mergulhamos muitas vezes no ativismo, e por cansaço ou por falta de falar com Deus ficamos frios em nossa experiência de fé. Usando as palavras do Papa Bento XVI no discurso de abertura do Ano Sacerdotal: “Porque ninguém se anuncia nem se leva a si mesmo, mas, dentro e através da própria humanidade, cada sacerdote deve estar bem consciente de levar Outro, o próprio Deus, ao mundo. Deus é a única riqueza que, de modo definitivo, os homens desejam encontrar num sacerdote”.

“De fato, todo sumo sacerdote é tomado do meio do povo e representa o povo nas suas relações com Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. Ele sabe ter compaixão dos que estão na ignorância e no erro, porque ele mesmo está cercado de fraqueza. Por isso, deve oferecer, tanto em favor de si mesmo como do povo, sacrifícios pelo pecado. Ninguém deve atribuir-se esta honra, senão aquele que foi chamado por Deus, como Aarão” (cf. Hb 5,1-4).

Meus queridos sacerdotes, é claro que os Sacramentos não precisam “de mais ou menos” dignidade nossa para serem válidos, mesmo que eu e você estejamos em situação de pecado, frios, secos, o Sacramento é válido, pois é Cristo que age em nós. É Jesus quem celebra e preside a assembleia dos irmãos, mas em tudo isso Ele não dispensa a nossa humanidade, pelo contrário, quis o Seu Coração Divino continuar no nosso coração humano agindo pela salvação e santificação de Sua Igreja. E me faço a seguinte pergunta: o Sacramento é valido, mas é eficaz? Será que eu estou dando mais de mim e de minhas palavras do que do próprio Cristo?

O brilho do Sacramento “depende” de sua santidade sacerdotal. O sacerdócio é de Cristo e não nosso. Que tudo o que eu fizer para salvar o povo, não me condene; ser padre é estar com a sua alma em constante perigo. Somos chamados a viver essa união entre Deus e o humano, como Cristo, a ser sacerdotes-pontes: filhos de Deus e irmãos dos homens, a experimentar essa constante “tensão espiritual” entre a miséria de nossa realidade e a grandeza de nossa vocação e eleição. Nós estamos num processo de santificação, em constante processo de “tensão espiritual”. Seremos uma corda tencionada entre a grandeza daquilo a que somos chamados e a miséria daquilo que somos, e isso sempre desperta a nossa consciência. Nosso modelo é o coração sacerdotal de Jesus: “manso e humilde”. Veja o que li, nestes dias, no retiro dos padres Canção Nova do Cardeal Albert Vanhoye, S.J..

“[...] A Carta aos Hebreus nos ajuda a perceber que as duas qualidades do Coração de Jesus, “manso e humilde” (cf. Mt 11,29), correspondem às duas dimensões da mediação sacerdotal entre Deus e nós. O coração “manso e humilde” de Jesus é um Coração sacerdotal, o coração de nosso sumo-sacerdote, “mediador de uma nova aliança” (cf. Hb 9,15), estabelecida nos corações (cf. Hb 8,10; Jr. 31,33). As duas qualidades que o caracterizam correspondem às duas relações, com os homens e com Deus, necessárias para a mediação sacerdotal” (CONGRESSO TEOLÓGICO-PASTORAL – ROMA 2007; “O Coração sacerdotal de Cristo une-nos a Deus”).

O sacerdote é alguém que se entregou, como Cristo, para a salvação do seu povo. Nós temos que viver sacramentalmente, ou seja, aquilo a que o povo é chamado a viver pelo batismo: a entrega. Nós somos o Coração de Cristo à disposição de todos. O coração do padre precisa estar ligado ao de Jesus para ser esse sinal, precisa ser amigo de Deus para saber ser amigo dos homens.

Voltando a falar do texto do Cardeal Albert Vanhoye, as duas disposições do Coração sacerdotal de Cristo: um coração filial com Deus Pai e um coração fraterno com as pessoas humanas. O saudoso Papa João Paulo II afirmou, num pronunciamento, a sacerdotes em uma de suas viagens: “O primeiro dever de um padre é crer no seu próprio mistério”.

Muitas vezes, quando me encontro sem vida interior, ou seja, sem oração, por muitos motivos, falo mais “de” Deus do que “com” Deus. Então, nessas ocasiões, nas Celebrações Eucarísticas e na pregação da Palavra dou mais de mim do que de Cristo, Aquele a quem os fiéis vêm buscar quando recorrem ao sacerdote. Por essa razão, é indispensável, na nossa vida de sacerdotes, que privilegiemos a intimidade com o Coração sacerdotal de Nosso Senhor Jesus Cristo, assim como, a direção espiritual, amizades adequadas e maduras, o contínuo e consciente caminho de conversão. Para produzirmos em nós sinais de vida divina, pois ficamos numa “saia justa” quando temos de falar que padres e bispos precisam de conversão, de oração, alegria, força, equilíbrio, liberdade, desinteresse, discrição, verdade, pobreza, misericórdia, sentido de Igreja... “Precisamente em vista de favorecer esta tensão dos sacerdotes para a perfeição espiritual da qual, sobretudo, depende a eficácia do seu ministério, decidi proclamar um especial "ano sacerdotal"” (DISCURSO DO PAPA BENTO XVI, na abertura do Ano Sacerdotal, 16 de março de 2009).

Para os nossos queridos filhos espirituais, gostaria de falar sobre o objetivo do Ano Sacerdotal para os leigos: Todos nós somos chamados à santidade e os sacerdotes, como nos diz a Segunda Carta aos Coríntios 4,7: “Porém, temos este tesouro em vasos de barro, para que transpareça claramente que este poder extraordinário provém de Deus e não de nós”. Assim, meus queridos irmãos, vocês precisam olhar para nós e colaborar para que nós entendamos que somos esse mistério, com o seu amor por Jesus e pela Igreja, sendo amigos e verdadeiros conosco, servindo a Cristo e não a nós, buscando a santidade e nos tratando com respeito, deixando-nos claro que todos caminhamos para o mesmo lugar: o céu. E, principalmente, na oração, assumam um sacerdote e rezem por ele, ofereçam a Deus seus sacrifícios e orações para que ele [sacerdote] volte à tensão espiritual, ou seja, para sua santidade.

Oração pelos Sacerdotes: Senhor Jesus, presente no Santíssimo Sacramento do Altar, que vos quisestes perpetuar entre nós por meio de vossos sacerdotes, fazei com que suas palavras sejam somente as vossas, que seus gestos sejam os vossos que sua vida seja o fiel reflexo da vossa.

Que eles sejam os homens que falem a Deus dos homens e falem aos homens de Deus. Que não tenham medo de servir, servindo a Igreja como ela quer ser servida.

Que sejam homens, testemunhas do eterno nosso tempo, caminhando pelas estradas da história com vosso mesmo passo e fazendo o bem a todos.

Que sejam fiéis aos seus compromissos, zelosos de sua vocação e de sua entrega, claros reflexos da própria identidade e que vivam com alegria o dom recebido.

Tudo isso vos peço pela intercessão de vossa Mãe Santíssima: ela que esteve presente em vossa vida, esteja sempre presente na vida dos vossos sacerdotes. Amém

Minha bênção fraterna.


Padre Luizinho - Sacerdote Canção Nova


Texto enviado por nossa amiga visitante : Mônica



Nilton de Carvalho

Vocacionado - Diocese de Guarulhos

Assim irmãos, terminamos a homenagem ao Santo Padroeiro de nosso blog, na certeza de que ele está lá, ao lado do Pai, intercedendo por todos nós.

Esperemos que com essa homenagem, vocês possam ter conhecido um pouco ao menos da vida desse grande Santo de nossos tempos e que sua vida possa nos dar a certeza de que TODOS NÓS SOMOS CHAMADOS A SER SANTOS e a aqueles que se idenficaram com sua história, assim como nós, Padre Pio deixou uma frase que essa, eu trago dentro do meu coração :

" Eis que estarei à porta do paraíso até que entre o ultimo de meus filhos"



Abaixo um vídeo ( já publicado no blog logo no início ) da oração mais conhecida de Padre Pio e que é referenciada por diversos sacerdotes:





PAZ E BEM!
É o que deseja todos os membros da EQUIPE IDEPELOMUNDO.

O corpo de Padre Pio, foi retirado de sua sepultura, na igreja de Santa Maria das Graças, em São Giovanni Rotondo, no domingo, e será exposto aos fiéis a partir do dia 24 de abril, em comemoração dos 40 anos de sua morte.

A exumação do corpo de Padre Pio, também conhecido como São Pio de Pietrelcina depois de ser canonizado pelo papa João Paulo 2°, foi feita no período da noite, próximo ao horário em que o frade capuchinho teria morrido em setembro de 1968.

A operação foi mantida em sigilo para evitar a chegada de uma multidão de fiéis. O santuário de Padre Pio é um dos mais visitados da Itália e recebe milhões de fiéis todos os anos.

O anuncio da exumação foi divulgado na madrugada desta segunda-feira pelo arcebispo de São Giovanni Rotondo, Domenico D'Ambrosio.

Segundo o clérigo, algumas partes do corpo estariam intactas.

"Desde o começo se via a barba, o queixo está perfeito e o resto do corpo bem conservado, dá para ver bem o joelho, as mãos e as luvas, mas não os estigmas", comentou o arcebispo.

Identificação

Padre Pio é conhecido como "o estigmatizado do Gargano", uma referência às chagas que tinha pelo corpo que remetiam às feridas da crucifixação de Cristo e também à região onde viveu na Itália.

Os restos do santo serão reconhecidos oficialmente pelas autoridades do Vaticano e depois analisados para constatar seu estado de conservação. Antes da exibição, o corpo deve passar por um tratamento para mantê-lo em boas condições.

A exposição fará parte das comemorações dos 40 anos da morte do frade, em setembro de 1968, e pelos 90 anos do aparecimento dos estigmas.

O túmulo foi aberto depois de uma breve cerimônia, presidida pelo arcebispo Domenico D'Ambrosio, com a presença dos padres capuchinhos, que tomam conta do santuário, e dos médicos e técnicos que irão fazer o reconhecimento do corpo.


Abaixo vídeo da exumação e exposição do corpo do Santo Padre;






Equipe Idepelomundo

HOMILIA DO SANTO PADRE JOÃO PAULO II
NA CANONIZAÇÃO DO PADRE PIO DE PIETRELCINA

Domingo, 16 de Junho de 2002


1. "O Meu jugo é suave e o Meu fardo é leve" (Mt 11, 30).

As palavras dirigidas por Jesus aos discípulos, que acabamos de ouvir, ajudam-nos a compreender a mensagem mais importante desta solene celebração. De facto, podemos considerá-las, num certo sentido, como uma magnífica síntese de toda a existência do Padre Pio de Pietrelcina, hoje proclamado santo.

A imagem evangélica do "jugo" recorda as numerosas provas que o humilde capuchinho de San Giovanni Rotondo teve que enfrentar. Hoje contemplamos nele como é suave o "jugo" de Cristo e verdadeiramente leve o seu fardo quando é carregado com amor fiel. A vida e a missão do Padre Pio testemunham que as dificuldades e os sofrimentos, se forem aceites por amor, transformam-se num caminho privilegiado de santidade, que abre perspectivas de um bem maior, que só Deus conhece.

2. "Quanto a mim, Deus me livre de me gloriar a não ser na cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo" (Gl 6, 14).

Não é porventura precisamente a "glorificação da Cruz" o que mais resplandece em Padre Pio? Como é actual a espiritualidade da Cruz vivida pelo humilde Capuchinho de Pietrelcina! O nosso tempo precisa de redescobrir o valor para abrir o coração à esperança.

Em toda a sua existência, ele procurou conformar-se cada vez mais com o Crucificado, tendo clara consciência de ter sido chamado para colaborar de modo peculiar na obra da redenção. Sem esta referência constante à Cruz não se compreende a sua santidade.

No plano de Deus, a Cruz constitui o verdadeiro instrumento de salvação para toda a humanidade e o caminho proposto explicitamente pelo Senhor a todos aqueles que desejam segui-l'O (cf. Mc16, 24). O Santo Frade do Gargano compreendeu isto muito bem, e na festa da Assunção de 1914 escreveu: "Para alcançar a nossa única finalidade é preciso seguir o Chefe divino, o qual, unicamente pelo caminho que ele percorreu deseja conduzir a alma eleita; isto é, pelo caminho da abnegação e da Cruz" (Epistolário II, pág. 155).

3. "Eu sou o Senhor, que exerço a misericórdia" (Jer 9, 23).

Padre Pio foi um generoso dispensador da misericórdia divina, estando sempre disponível para todos através do acolhimento, da direcção espiritual, e sobretudo da administração do sacramento da Penitência. O ministério do confessionário, que constitui uma das numerosas características que distinguem o seu apostolado, atraía numerosas multidões de fiéis ao Convento de San Giovanni Rotondo. Mesmo quando aquele singular confessor tratava os peregrinos com severidade aparente, eles, tomando consciência da gravidade do pecado e arrependendo-se sinceramente, voltavam quase sempre atrás para o abraço pacificador do perdão sacramental.

Oxalá o seu exemplo anime os sacerdotes a realizar com alegria e assiduidade este ministério, muito importante também hoje, como desejei recordar na Carta aos Sacerdotes por ocasião da passada Quinta-Feira Santa.

4. "Senhor, és tu o meu único bem".

Cantamos assim no Salmo Responsorial. Através destas palavras o novo Santo convida-nos a pôr Deus acima de tudo, a considerá-lo como o nosso único e sumo bem.

De facto, a razão última da eficácia apostólica do Padre Pio, a raiz profunda de tanta fecundidade espiritual encontra-se na íntima e constante união com Deus de que eram testemunhas eloquente as longas horas passadas em oração. Gostava de repetir: "Sou um pobre frade que reza", convencido de que "a oração é a melhor arma que possuímos, uma chave que abre o coração de Deus". Esta característica fundamental da sua espiritualidade continua nos "Grupos de Oração" por ele fundados, que oferecem à Igreja e à sociedade o admirável contributo de uma oração incessante e confiante. O Padre Pio unia à oração também uma intensa actividade caritativa, da qual é uma extraordinária expressão a "Casa Alívio do Sofrimento". Oração e caridade, eis uma síntese muito concreta do ensinamento do Padre Pio, que hoje é proposto a todos.

5. "Bendigo-Te, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque... estas coisas... as revelaste aos pequeninos" (Mt 11, 25).

Como se mostram apropriadas estas palavras de Jesus, quando as pensamos referindo-as a ti, humilde e amado Padre Pio.

Nós pedimos-te que nos ensines também a nós a humildade do coração, para sermos conservados entre os pequeninos do Evangelho, aos quais o Pai prometeu revelar os mistérios do seu Reino.

Ajuda-nos a rezar sem nunca nos cansarmos, com a certeza de que Deus conhece aquilo de que precisamos, ainda antes que nós o peçamos.

Obtém-nos um olhar de fé capaz de reconhecer imediatamente nos pobres e nos que sofrem o próprio rosto de Jesus.

Ampara-nos no momento do combate e da prova e, se cairmos, faz com que conheçamos a alegria do sacramento do Perdão.

Transmite-nos a tua terna devoção a Maria, Mãe de Jesus e nossa mãe.

Acompanha-nos na peregrinação terrena rumo à Pátria bem-aventurada, onde também nós esperamos chegar para contemplar eternamente a Glória do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Amen!


Assistam a terceira e última parte do documentário:


Em toda história da igreja foi a única vez que um Papa se ajoelha diante do túmulo de um cristão que ainda não havia sido proclamado Santo.


DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
AOS PEREGRINOS PARA O ACTO DE AGRADECIMENTO
PELA BEATIFICAÇÃO DO PADRE PIO DE PIETRELCINA

Segunda-feira, 3 de Maio de 1999

Caríssimos Irmãos e Irmãs!

1. Com grande alegria encontro-me de novo convosco nesta Praça, que ontem viu realizar-se um evento por vós tão esperado: a beatificação do Padre Pio de Pietrelcina. Hoje, é o dia da acção de graças.

Há pouco concluiu-se a solene celebração eucarística, presidida pelo Cardeal Angelo Sodano, meu Secretário de Estado. A ele dirijo uma cordial saudação, estendendo-a a todos os Cardeais e Bispos, assim como aos numerosos sacerdotes e aos fiéis presentes. Com afecto especial vos abraço, caros Frades Capuchinhos, e demais membros da grande Família franciscana, que louvais o Senhor pelas maravilhas por Ele operadas no humilde Frade de Pietrelcina, seguidor exemplar do Pobrezinho de Assis.

Muitos de vós, caros peregrinos, são membros dos grupos de oração fundados pelo Padre Pio: saúdo-vos com afecto juntamente com todos os fiéis que, movidos pela devoção para com o novo Beato, quiseram estar presentes nesta jubilosa circunstância. Por fim, desejo dirigir uma saudação particular a cada um de vós, queridos doentes, que fostes os predilectos no coração e na acção do Padre Pio: obrigado pela vossa preciosa presença!

2. A divina Providência quis que o Padre Pio fosse proclamado Beato na vigília do Grande Jubileu do Ano 2000, quando se conclui um século dramático. Qual é a mensagem que, com este evento de grande importância espiritual, o Senhor quer oferecer aos fiéis e à inteira humanidade?

O testemunho do Padre Pio, legível na sua vida e na sua própria pessoa física, leva-nos a considerar que esta mensagem coincide com o conteúdo essencial do Jubileu, já próximo: Jesus Cristo é o único Salvador do mundo. N'Ele, na plenitude dos tempos, a misericórdia de Deus fez-se carne, para dar a salvação à humanidade, ferida mortalmente pelo pecado. «Pelas Suas chagas fostes curados» (1 Pd 2, 24), repete a todos o Beato Padre, com as palavras do apóstolo Pedro, ele, que teve aquelas chagas impressas no seu corpo.

Em sessenta anos de vida religiosa, transcorridos quase todos em San Giovanni Rotondo, ele dedicou-se inteiramente à oração e ao ministério da reconciliação e da direcção espiritual. O Servo de Deus Papa Paulo VI ressaltou-o muito bem: «Vede que fama teve o Padre Pio!... Mas por quê? ... Porque celebrava a Missa de maneira humilde, atendia às confissões desde a manhã até à noite, e era representante impresso dos estigmas de Nosso Senhor. Era um homem de oração e de sofrimento» (20 de Fevereiro de 1971).

Inteiramente recolhido em Deus, levando sempre no seu corpo a paixão de Jesus, ele foi pão partido para os homens famintos do perdão de Deus Pai. Os seus estigmas, como os de Francisco de Assis, eram obra e sinal da misericórdia divina, que mediante a Cruz de Cristo remiu o mundo. Aquelas feridas abertas e sangrentas falavam do amor de Deus por todos, especialmente pelos doentes no corpo e no espírito.

3. E que dizer da sua vida, incessante combate espiritual sustentado com as armas da oração, centrada nos quotidianos sagrados gestos da Confissão e da Missa? A Santa Missa era o centro de toda a sua jornada, a preocupação quase ansiosa de todas as horas, o momento de maior comunhão com Jesus, Sacerdote e Vítima. Sentia-se chamado a participar na agonia de Cristo, agonia que continua até ao fim do mundo.

Caríssimos, neste nosso tempo, em que ainda se tem a ilusão de resolver os conflitos com a violência e a prepotência, e se cede não raro à tentação de abusar da força das armas, o Padre Pio repete aquilo que certa vez ele disse: «Que horror a guerra! Em cada homem atingido na carne está Jesus que sofre». Depois, não deve passar despercebido o facto que as suas duas obras – a «Casa Alívio do Sofrimento» e os Grupos de oração – foram por ele concebidas no ano de 1940, quando na Europa se delineava a catástrofe da segunda guerra mundial. Ele não ficou inerte, mas, do seu convento perdido no Gargano, respondeu com a oração e com as obras de misericórdia, com a caridade para com Deus e para com o próximo. E hoje, do Céu, ele repete a todos que este é o autêntico caminho da paz.

4. Os Grupos de Oração e a «Casa Alívio do Sofrimento»: eis dois «dons» significativos que o Padre Pio nos deixou. Ideada e querida por ele como hospital para os doentes pobres, a «Casa Alívio do Sofrimento» foi projectada, desde o início, como estrutura sanitária aberta a todos, mas não por isso menos aparelhada que os outros hospitais. O Padre Pio a quis, pelo contrário, dotada dos mais avançados instrumentos científicos e tecnológicos, para que fosse lugar de autêntico acolhimento, de amoroso respeito e de eficaz terapia para toda a pessoa que sofre. Não é talvez este um verdadeiro milagre da Providência, que continua e se desenvolve, seguindo o espírito do Fundador?

Depois, quanto aos Grupos de oração, foram queridos por ele como faróis de luz e amor no mundo. Desejava que muitas almas se associassem a ele na oração: «Orai – dizia – orai ao Senhor comigo, porque o mundo inteiro precisa de orações. E cada dia, quando o vosso coração sentir mais a solidão da vida, orai, orai juntamente com o Senhor, porque também Deus tem necessidade das nossas orações!». A sua intenção era criar um exército de pessoas que rezassem, de pessoas que fossem «fermento» no mundo com a força da oração. E hoje a Igreja inteira é-lhe grata por esta preciosa herança, admira a santidade deste seu filho e convida todos a seguir o seu exemplo.

5. Caríssimos Irmãos e Irmãs, o testemunho do Padre Pio constitui uma poderosa evocação da dimensão sobrenatural, que não deve ser confundida com a crendice de milagres, desvio que sempre foi rejeitado por ele. Para ele olhem, de modo especial, os sacerdotes e as pessoas consagradas.

Ele ensina os sacerdotes a fazerem-se instrumentos dóceis e generosos da graça divina, que cura as pessoas na raiz dos seus males, restituindo-lhes a paz do coração. O altar e o confessionário foram os dois pólos da sua vida: a intensidade carismática com que celebrava os divinos Mistérios é mais do que nunca testemunho salutar, para demover os presbíteros da tentação da rotina e os ajudar a redescobrir, dia após dia, o inexaurível tesouro de renovação espiritual, moral e social posto nas suas mãos.

Aos consagrados, de modo especial à Família franciscana, ele oferece um testemunho de singular fidelidade. Francisco era o seu nome de baptismo, e do Seráfico Pai, desde o seu ingresso no convento, ele foi um digno seguidor, na pobreza, na castidade e na obediência. Praticou com todo o seu rigor a regra capuchinha, abraçando com generosidade a vida de penitência. Não se comprazia com o sofrimento, mas escolheu-o como via de expiação e de purificação. Como o Pobrezinho de Assis, teve como objectivo a conformidade com Jesus Cristo, desejando apenas «amar e sofrer», para ajudar o Senhor na fadigosa e exigente obra da salvação. Na obediência «firme, constante e férrea» (Epist. I, 488), o seu amor incondicionado a Deus e à Igreja encontrou a mais alta expressão.

Que consolação sentir ao nosso lado o Padre Pio, que quis ser simplesmente «um pobre frade que ora»: irmão de Cristo, irmão de Francisco, irmão de quem sofre, irmão de cada um de nós. Possa a sua ajuda guiar-nos pelo caminho do Evangelho e tornar-nos sempre mais generosos no seguimento de Cristo!

Obtenha-nos isto a Virgem Maria, que ele amou e fez com que fosse amada com profunda devoção. Obtenha-nos isto a sua intercessão, que invocamos com confiança.

Acompanho estes bons votos com a Bênção Apostólica, que de coração vos concedo, a vós caros peregrinos aqui presentes, e a quantos se uniram espiritualmente a este encontro festivo.





Equipe Idepelomundo

Alívio do Sofrimento

Não podia ser outro senão esse o nome escolhido por Padre Pio para construir, o que é hoje, o maior hospital da Itália e um dos maiores, senão também o maior hospital de toda a Europa.
Padre Pio, nosso Santo que muito sofreu em sua vida, tanto com os estigmas, mas também pelas perseguições e tentações do demônio, com o qual tinha lutas corporais, também sempre viveu com muitos problemas de saúde sobretudo, problemas pulmonares.

Segue abaixo vídeo no qual o próprio Padre Pio faz um discurso na inauguração do Hospital " Casa Alívio do Sofrimento".




Equipe Idepelomundo



      • Ria-se dos elogios que as pessoas lhe façam, e repasse-os todos a Deus!
      • A misericórdia de Deus será sempre maior que a tua ingratidão.
      • Não desanime quando for incompreendido.

      · Não se desanime se você não consegue fazer tudo como gostaria.


      · Perdoe a todos com caridade cristã.


      · O impulso de permanecer em paz eternamente é bom e santo, mas é

      preciso modificá-lo com a completa resignação à Vontade Divina.


      · Tenha Jesus Cristo em seu coração e todas as cruzes do mundo parecerão rosas.


      · Em tudo o que você fizer, seja sempre humilde, guardando

      zelosamente a pureza de seu coração e a pureza de seu corpo.


      · Cada um tem o que espera. Confie em Deus e você já terá muito!


      · Reavive a cada momento a sua confiança em Deus e mais ainda na
      hora das provações.


      · Arme-se com a "arma" da oração, e terá mais força no combate diário.


      · Se tudo o que somos e temos recebemos de Deus, do que podemos gloriar-nos?


      · A alma cristã deve fugir dos aplausos dos homens.

      • Tudo o que vem de Deus deixa a alma tranquila mesmo diante de aflições e contradições.

      · Aspiremos a felicidade que nos foi preparada por Deus.

      · Deus é nosso Pai. O que se pode temer tendo um Pai como este?


      · Medite na Palavra de Deus e ela terá o poder de transformar suasinclinações

      naturais para elevar seu espírito com pensamentos puros e sublimes.

      · Lembre-se de que você tem no Céu não somente um pai, mas também

      uma Mãe.

      · Desapeguemo-nos passo a passo das coisas terrenas.

      · É preciso calar e ter silêncio ao seu redor para poder ouvir a voz

      de Deus.


      · Esforcemo-nos, com a ajuda divina, em jamais nos distanciarmos de

      Jesus.

      · Temos tantos defeitos para criticar em nós mesmos, então para que

      ]ficar criticando os defeitos alheios?

      · Quem combate dirigindo seu olhar a Deus cantará triunfo.

      · A humildade nos atrai a Deus.

      · Peça a Deus para sempre sentir o perfume de seus ensinamentos.

      · Cristo, conceda-nos conseguir comunicar teu amor e anunciar tua

      divindade pelo exemplo de nossa vida e de nossas obras.

      · Uma fé viva, uma crença cega e a total adesão à autoridade

      constituída por Deus sobre ti: isto forma a luz que orienta os passos do povo

      de Deus no deserto.

      · Tenha grande confiança na bondade e na misericórdia de Deus, e Ele

      nunca o abandonará; mas não negligencie abraçar a Santa Cruz por causa disso!

      · Aja sempre com retidão, mesmo se todo o inferno se voltar contra você!

      · Que a paixão de Cristo esteja sempre esculpida na tua mente e no teu coração!

      · Deus está entre nós e nos chama; mas nós insistimos em nãoresponder e

      em não vê-Lo, porque preferimos ficar absortos em nossos próprios interesses.

      · Que Jesus sempre o carregue nos braços.

      · A oração faz desaparecer a distância entre o homem e Deus."

      · Quando você não consegue meditar na Palavra de Deus, não deixe por

      isso de fazer seu dever. Se as distrações forem muitas, não desanime:

      faça a meditação da 'paciência', que terá o mesmo valor para você."

      · Louve somente a Deus e não aos homens


      · Não se esqueça de que Jesus quer se servir de você na sua situação atual"

      · Os santos amam mais do que as pessoas apegadas ao mundo."

      · "Se Jesus nos faz felizes assim na Terra, como será no Céu?"

      · "A oração é uma chave que abre o coração de Jesus."

      · Como posso, Senhor, conter o Infinito no pequeno vaso do meu coração?"


      · "O coração do nosso Divino Mestre não tem lei mais agradável do que a

      da docilidade, da humildade e da caridade."

      · "Que o doce Jesus repouse sempre no seu coração."

      · "É necessário tolerar as próprias imperfeições, mas não amá-las ou acariciá-las."

      • "Que Jesus seja sempre e em tudo seu apoio, seu consolo e sua vida!"

      · "Quem vive a caridade vive em Deus."

      · "Viva em paz e não se deixe tapear pelo demônio."

      · "O nome de Jesus é o terror dos demônios."


      · "A confissão que é a purificação da alma, deve ser feita ao menos uma vez por semana.

      Não é possível manter a alma longe da confissão por mais de sete dias."

      · "A humildade é o reconhecimento da renúncia de si mesmo."


      · "A vida sem o amor é pior do que a morte."

      · "A divina piedade sempre escuta a oração de quem espera, confia e se abandona a Deus.





Equipe Idepelomundo

Vocacional Masculino e Feminino

"Vem, segue-me..."

"Vem, segue-me..."
Clique aqui e saiba mais

Pastoral Vocacional

Pastoral Vocacional
Quer saber mais sobre a caminhada vocacional? Escreva para: vocacionalguarulhos@hotmail.com

Visitantes on-line

Ocorreu um erro neste gadget

Bispo Diocesano

Bispo Diocesano
Dom Joaquim Justino Carrera - "PAX VOBIS" (Jo 20,21s)

Arquivo

Contato

Contato
Ocorreu um erro neste gadget